Aguarde por favor...

SETEMBRO VERDE: MÊS DE PREVENÇÃO AO CÂNCER DE INTESTINO

cancer_intestino.png

O câncer de intestino é o 3º tipo mais comum no Brasil. A estimativa de novos casos para 2020 é de 40.990, com número estimado de mortes de 18.867. (fonte: INCA).

Fatores de risco para o câncer colorretal:

Fatores genéticos contribuem para o desenvolvimento da doença, além de doenças inflamatórias do intestino, tais como: retocolite ulcerativa crônica e doença de Crohn também aumentam o risco de câncer do intestino, bem como doenças hereditárias, como polipose adenomatosa familiar (FAP) e câncer colorretal hereditário sem polipose (HNPCC). 

Pacientes com essas doenças devem ter acompanhamento individualizado. Entretanto, alguns dos fatores de risco em que podemos intervir para diminuir o risco de desenvolver câncer de intestino é: 

  • Alimentação deficiente em fibras;
  • CONSUMO EXCESSIVO DE CARNE VERMELHA, ULTRAPROCESSADOS E EMBUTIDOS (SALSICHA, LINGUIÇA, PRESUNTO, MORTADELA, BACON, SALAME, PEITO DE PERU), os quais contêm nitritos, que são fatores de risco para o câncer de intestino;
  • Obesidade;
  • Sedentarismo;
  • Tabagismo e alcoolismo.

Os sintomas mais frequentemente associados ao câncer do intestino são:

  • Sangue nas fezes;
  • Alteração do hábito intestinal (diarreia ou prisão de ventre);
  • Dor ou desconforto abdominal;
  • Fraqueza, anemia ou perda de peso sem causa aparente;
  • Alteração na forma das fezes (fezes muito finas por exemplo).

Diagnóstico:

Entre os exames que podem apontar problemas no intestino estão a pesquisa de sangue oculto nas fezes e a colonoscopia. O primeiro, realizado por meio da coleta de fezes, pode detectar frações pequenas de sangue difíceis de se visualizar a olho nu. O teste, entretanto, não determina nem a causa do problema, nem o local do sangramento.

Outro exame utilizado para chegar a um diagnóstico é a colonoscopia, realizada pela introdução de um tubo flexível acoplado a uma câmera para examinar o intestino por dentro. Caso seja encontrado algum pólipo/ lesão suspeita, ele é removido/ biopsiado por meio desse exame para avaliar se trata ou não de câncer.

Tratamento:

O câncer do intestino grosso (cólon) tem em geral a cirurgia como tratamento inicial, retirando a parte do intestino afetada e os gânglios linfáticos da região envolvida. Pode ou não necessitar de quimioterapia pós-operatória, isso vai depender dos achados durante a  cirurgia.

O câncer de reto classicamente é tratado com Radioterapia pré-operatória em associação com quimioterapia, com objetivo de diminuir o tamanho do tumor e com isso possibilitar uma cirurgia menos agressiva.

Em alguns casos, é optado por cirurgia de antemão, com indicação de quimioterapia e radioterapia a depender do resultado anátomo-patológico da cirurgia.

Unidade Radioterapia ABC

Telefone: 11 4433 4141
Agendamentos: atendimento@radioterapiaabc.com.br
Informações: contato@radioterapiaabc.com.br

Endereço: Avenida Portugal, 592 Centro - Santo André - SP - CEP: 09040-000

Unidade Radioterapia ABC Mulher

Telefone: 11 3171-0078
Agendamentos e informações: braquiterapia@radioterapiaabc.com.br
Endereço: Rua Pamplona, 100 - Jardim Paulista, São Paulo - SP CEP: 01405-000

No interior da Clínica Cepro.